terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Sem medo de usar obras de arte

Espaços que unem o sofisticado e o simples. O uso de obras de arte nos mais diversos ambientes é cada dia mais comum. Elas inspiram, atraem olhares e deixam qualquer lugar elegante e encantador. Atualmente as obras de arte têm sido um recurso cada vez mais presente na decoração. Elas são uma forma de expressão cultural e têm ganhado mais espaço nas residências e nos locais de trabalho.
Inserir obras de arte nos projetos de decoração é uma ótima maneira de enriquecer os ambientes e ainda democratizar a arte. Para a diretora executiva da galeria 
Arte DemocráticaStella Lopes, atualmente a arte está bem mais popular. “As pessoas têm demonstrado mais interesse sobre o assunto, inclusive os jovens que estão tendo mais acesso por meio de aulas nas escolas e viagens. Está sendo bem comum incluir galerias e museus nos roteiros de passeios e excursões” afirma Stella.

Ainda de acordo com a empresária outra coisa que possibilitou esse novo cenário é a valorização do artista plástico, que passou a ser mais compreendido e visto com mais dignidade. Essa valorização aumentou o número de profissionais que se dedicam ao processo criativo o que consequentemente aumenta a produção artística fazendo com que o valor de mercado diminua, tornando as obras de arte mais acessíveis.

Quando se fala no uso de obras de arte na decoração de ambientes muitos ainda pensam que o custo inviabiliza a utilização, mas a boa notícia é que hoje em dia já é possível encontrar peças a preços mais baixos e que prometem valorizar qualquer espaço. Para o arquiteto Sérgio Borges, diretor comercial do escritório de arquitetura Atiwa, usar uma obra de arte na decoração tem se tornado uma questão cultural. “As pessoas estão valorizando mais a arte e muitos clientes têm procurado produções artísticas de profissionais mais novos e ainda pouco conhecidos, mas que são acessíveis financeiramente. E na hora de construir ou reformar já separam inclusive uma verba adicional para obras de arte”, observa o diretor comercial.

Outra dúvida bastante comum é qual arte escolher, pois são diversas as referências como, por exemplo, pinturas, gravuras, fotografias, esculturas e instalações. É preciso ressaltar que mais importante do que valores e tendências, a pessoa deve escolher aquilo que gosta para usar em sua casa ou escritório. “A escolha dessas obras devem seguir a concepção do espaço e também a linha de personalidade do cliente, por exemplo se a pessoa é mais conservadora as obras aparecem de forma mais discreta e com tons mais neutros. Mas para os clientes mais inovadores é válido usar uma arte mais chamativa que se destaque no local”, esclarece Sérgio Borges.

Após definir o tipo de arte, é chegada a hora de escolher o ambiente. O arquiteto Roberto Carril alerta que o ideal é que seja algum lugar protegido da luz solar e também longe de áreas molhadas. Outro aspecto importante a ser observado é a decoração do local para a harmonia do ambiente seja mantida. “É necessário ter atenção ao conceito e finalidade do projeto, levando em consideração o foco no contexto do ambiente. Tudo é permitido mas nem tudo lhe convém. É questão de abstração e comunicação”, explica o arquiteto.

Quando o assunto é arte uma coisa é certa: ao inserir obras de arte em um espaço há um ganho de personalidade. Ganha vida. Por isso, ao utilizar produções artísticas em um ambiente valoriza-se não só a obra, mas o espaço onde ela se encontra.