quinta-feira, 15 de maio de 2014

Descolamento de retina e esportes com bola

Especialista do Grupo INOB alerta para o cuidado com olhos durante prática de esportes
Muito fina e delicada, a retina é a membrana que reveste a superfície interna da parte posterior do globo ocular. É nela que estão os receptores fotossensíveis que convertem a imagem luminosa captada do exterior em impulsos elétricos que, através do nervo ótico, são enviados para área do cérebro em que se processa a visão.
O globo ocular é preenchido por uma estrutura gelatinosa e transparente que compõe 4/5 do olho, denominada vítreo, e encontra-se aderida à retina. Quando acontece o desprendimento do vítreo de forma espontânea ou provocado por um trauma ocular, pode ocorrer a formação de buracos ou rasgos na retina que levarão ao descolamento da retina, promovendo a perda da visão.

O descolamento da retina pode acontecer espontaneamente, ser provocado por doenças como a diabetes, distúrbios inflamatório ou por trauma. E é neste último caso que o problema tem mais chances de ser evitado. Atrás de traumas ocorridos na rua, em casa e no trabalho, com origens diversas (acidentes automobilísticos e objetos perfurantes, por exemplo), o trauma ocular na atividade esportiva representa 25% do total de casos. Nos Estados Unidos os registros são de cerca de 100 mil casos de acidentes com os olhos dos atletas por ano, representado 14% de todos os atendimentos oculares.

E quando o assunto é descolamento de retina causado durante práticas esportivas e lazer (14% no Brasil), 50% ocorrem em jogos de futebol. Outras atividades envolvendo bola, como o tênis e squash também oferecem risco aos praticantes e lutas, assim como o boxe e MMA, este último tão em voga, atualmente.

COMO SE PROTEGER
O médico 
Renato Braz Dias, chefe do Departamento de Retina e Vítreo do Grupo INOB, alerta sobre a importância da proteção dos olhos durante a prática de esportes. “Há óculos especiais que lembram óculos de natação, mais comumente usados por jogadores de basquete americano. Eles podem, inclusive, ter o grau da pessoa. Outra opção são óculos escuros de marcas mais relacionadas ao esporte. Feitos de policarbonato, material resistente a impactos, proporcionam boa proteção, inclusive contra raio UV, e devem ser considerados na prática de esportes”, recomenda o oftalmologista. Além de protegerem contra traumas, esses acessórios diminuem a exposição constante ao sol que pode acarretar queimaduras na córnea, degeneração na retina, aparecimento de pterígio e agravar quadros de catarata.

Infelizmente, no futebol profissional, o uso dos óculos ainda não é permitido pelas confederações pela possibilidade de ferir o adversário. O mercado, porém, dispõe de modelos de formas arredondadas (portanto, sem pontas perfurantes) confeccionados com armações de silicone, justamente para não machucar usuário e terceiros.

TRATAMENTO
Caso o trauma aconteça, o especialista recomenda a consulta oftalmológica o quanto antes. 
“O descolamento agudo do vítreo, que é o gel interno do olho que está grudado à retina, pode levar a uma rotura, ou seja, ao rasgo da retina. Se isso for identificado logo podemos realizar uma aplicação de laser e evitar o descolamento”, explica. Dr Renato esclarece, ainda, que o tratamento para o problema é sempre cirúrgico. “Há várias técnicas para a correção como a Retinopexia e a Vitrectomia, a depender do caso e indicações. A Vitrectomia avançou muito nos últimos anos com novos equipamentos, incisões menores, minimamente invasivas, que levaram a melhores resultados e melhor recuperação para o paciente”, complementa.

É importante ficar atento aos sintomas que podem indicar o descolamento da retina: visão de pontos pretos móveis, as chamadas moscas volantes, visão de flashes de luz, baixa da acuidade visual (visão embaçada) e perda parcial do campo visual.
Fontes: Universidade Federal de Santa Catarina, Escola Paulista de Medicina, National Eye Institute



Serviço:
INOB Brasília
SHLS 716 Centro Clínico Sul Torre II – Térreo | (61) 3298-6060

HOG
Quadra 1 Conjunto G Lote 1 – Setor Sul | (61) 3298-6061
www.inob.com.br